Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógada


O que é o exame:

Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada, ou CPRE, é uma técnica especializada usada para avaliar os ductos da vesícula biliar, pâncreas e fígado. Ductos são trajetos de drenagem; os canais de drenagem do fígado são chamados de ductos biliares.
Durante a CPRE, o endoscopista irá passar um endoscópio através da boca do paciente, passando pelo esôfago e estômago chegando até o duodeno (1ª parte do intestino delgado).  Um endoscópio é um tubo fino, flexível, que permite ao médico ver dentro do intestino. Após o médico ver o local comum de drenagem dos ductos que provêm do fígado e pâncreas, ele irá passar um tubo plástico estreito, chamado de cateter, através do endoscópio para dentro dos ductos. O endoscopista então irá injetar um material de contraste (corante) dentro dos ductos biliar e pancreático e irá realizar raios-X. O exame, na maioria das vezes é realizado com objetivo de tratar alguma doença das vias biliares e pâncreas.
A CPER pode ser necessária para diagnóstico e tratamento de icterícia, colangite (infecção nas vias biliares), cálculos (pedras) nas vias biliares, pancreatite aguda de repetição, pancreatite crônica, cálculos (pedras) no ducto pancreático, cistos e estenoses (estreitamento) das vias biliares e pancreáticas, complicações de procedimentos cirurgias das vias biliares e pancreáticas, pacientes com suspeita de neoplasia, seguimento: após cirurgias, transplantes etc.

Como é realizado o exame:

O paciente será internado no Hospital no dia do exame ou no dia anterior a ele. É importante a presença de um acompanhante maior de 18 anos.
O paciente será conduzido ao Centro Cirúrgico. Antes do exame o paciente é orientado sobre o procedimento, a enfermeira punciona uma veia no braço para administração de medicamentos e posiciona um sensor digital na mão para avaliação dos dados vitais (freqüência cardíaca e oxigenação do sangue) durante o exame. Próteses dentárias e aparelhos ortodônticos móveis deverão ser retirados. Antes de iniciar o exame, uma medicação sedativa é aplicada por um médico anestesista, o qual acompanhará todo o procedimento aplicando os medicamentos necessários. Raramente é necessário realizar anestesia geral.
A CPER é realizada com o paciente deitado sob o seu lado esquerdo. Um anestésico em spray é aplicado na garganta para diminuir os reflexos de vômito do local. Uma proteção bucal de plástico é posicionada entre os dentes, para facilitar a passagem do aparelho.
É utilizado um duodenoscopio (endoscópio especial) que é um tubo flexível dotado de lentes e uma fonte de luz que permite, através de um monitor, a visualização do esôfago, estômago e duodeno onde se localiza a papila duodenal, na qual desembocam os ductos biliares e pancreáticos.  Após a localização da papila, o endoscopista pode precisar fazer nela um pequeno corte (papilotomia), para penetrar com um tubo plástico (cateter) dentro das vias biliares. Por esse cateter é injetado um contraste que, através do Raio-X, mostra a anatomia dos ductos biliares e pancreáticos. O exame pode terminar aí, ou prosseguir com retirada de cálculos da via biliar, realização de coleta de material dentro da mesma ou colocação de próteses (pequenos tubos plásticos deixados no canal da bile para facilitar sua drenagem).

 

Preparo para o exame:
Para a realização desse procedimento é necessário o pedido do médico e o agendamento prévio. Esse é um exame realizado no Centro Cirúrgico de um Hospital, sendo necessária a internação por pelo menos 1 a 2 dias. É realizado sob sedação, acompanhada por médico anestesista.
A preparação para a realização da CPER consiste em jejum absoluto por 8 horas antes do exame. Pacientes que tomam medicações específicas (para algum tipo de doença) podem ser orientados a modificar as doses, ou mesmo suspendê-los antes do exame. Essa orientação será feita no momento da marcação do exame e durante a internação do paciente. Também é importante informar ao médico sobre alergias a medicamentos, ou a contraste (esse exame utiliza contraste). Alguns pacientes precisam usar antibióticos antes e após o exame.

O que acontece após o exame:
Após o exame, o paciente deve permanecer na recuperação do Centro Cirúrgico até seu recobramento do efeito sedativo das medicações. A garganta poderá ficar um pouco dolorida por alguns instantes, poderá sentir distensão abdominal devido ao ar introduzido no estômago durante o exame, e é comum a amnésia (não se recordar do exame). O paciente permanecerá internado por, pelo menos, 24 horas. A liberação da dieta e o tempo de internação dependem de cada procedimento realizado, e será sempre esclarecida pelo médico assistente.

Segurança do exame:
A CPER é um exame invasivo que, apesar de bastante seguro, pode apresentar complicações.
As complicações relativas à sedaçãoanestesia variam de uma flebite superficial (vermelhidão e inchaço no local da punção da veia), até situações de maior gravidade com hipotensão arterial (queda de pressão), bradicardia, depressão respiratória, broncoaspiração e parada cardiorrespiratória.
A complicação mais comum do procedimento é a pancreatite (inflamação do pâncreas) que ocorre em cerca de 3-7% dos casos; geralmente é leve, causando dor abdominal e vômitos, e resolve-se após alguns dias de internação.
A perfuração intestinal é extremamente rara e a hemorragia em local de biópsia, ou na papilotomia, geralmente é mínima e controlada de imediato.
Os seguintes sintomas devem ser comunicados de imediato: dor abdominal severa, barriga muito distendida e dura, vômitos, febre ou dificuldade deglutição
Os riscos variam, dependendo do porquê o exame foi realizado, o que foi encontrado durante o procedimento, qual intervenção terapêutica foi utilizada, e se o paciente tinha outros problemas médicos. Pacientes que se submetem a CPRE terapêutica, como para retirada de cálculos, tem um risco maior de complicações que os pacientes que se submetem a CPRE diagnóstica. O médico assistente sempre deve discutir com o paciente a probabilidade de complicações antes da realização do exame.

Entrega do laudo:
Após o exame, o endoscopista comunicará ao paciente familiar médico assistente o resultado do exame. O laudo será entregue na Via Gastro após 24 horas da realização do exame.