Gastrostomia Endoscópica Percutânea 

O que é o procedimento:
A GEP é um procedimento através do qual um tubo flexível (sonda de gastrostomia) é inserido através da parede abdominal e dentro do estômago. Esse tubo permite que nutrição, fluídos e/ou medicamentos sejam inseridos diretamente dentro do estômago, evitando que passe pela boca e esôfago.
As principais indicações da gastrostomia endoscópica são os distúrbios de deglutição secundários a doença de Alzheimer, acidente vascular cerebral, neoplasias de cabeça e pescoço e neoplasia de esôfago.
 

Como é realizado o exame:
O paciente deverá comparecer a clínica no horário agendado, trazendo o pedido do médico e um acompanhante maior de 18 anos. O procedimento não será realizado sem o acompanhante.
Antes do procedimento o paciente e os familiares são orientados sobre a gastrostomia, a enfermeira punciona uma veia no braço para administração de medicamentos e posiciona um sensor digital na mão para avaliação dos dados vitais (freqüência cardíaca e oxigenação do sangue) durante o procedimento. Próteses dentárias e aparelhos ortodônticos móveis deverão ser retirados. Os sedativos são aplicados pelo médico anestesista que acompanha todo o procedimento.
O procedimento é feito por dois endoscopistas. A gastrostomia é realizada durante uma endoscopia digestiva alta com o paciente deitado de barriga para cima. Um anestésico em spray é aplicado na garganta para diminuir os reflexos de vômito do local. Uma proteção bucal de plástico é posicionada entre os dentes para facilitar a passagem do aparelho. É feita limpeza da pele do abdome e uma anestesia da pele (injeção de anestésicos) no local escolhido para passagem da sonda de gastrostomia.
O endoscópio passa então pela boca e esôfago chegando até o estômago. Simultaneamente é feito um pequeno corte na pele do abdome transfixando a parede do abdome e o estômago. A sonda de gastrostomia é então introduzida pela boca e passa por esse orifício do estômago, sendo exteriorizada na pele da barriga, tudo isso com visão direta da endoscopia.
A sonda é presa á pele por um pequeno “botão” externo e é feito um curativo no local.
O procedimento costuma durar cerca de 1 hora.

 

Preparo para o exame:
Para a realização desse procedimento é necessário o pedido do médico e o agendamento prévio. O exame é realizado na Via Gastro e não precisa de internação. Pacientes debilitados podem precisar de internação e que o procedimento seja realizado no Hospital. A GEP é feita com sedação acompanhada por médico anestesista e, portanto, precisa de avaliação pré-anestésica.
A preparação para a realização do procedimento consiste em jejum absoluto por 8 horas antes do exame. Pacientes que tomam medicações específicas (para algum tipo de doença) podem ser orientados a modificar as doses ou mesmo suspendê-los antes do exame. Essa orientação será feita no momento da marcação da gastrostomia. Atenção especial será dada aos medicamentos anticoagulantes e a base de Ácido Acetil Salicílico, que precisam ser suspensos.

O que acontece após o exame:
Após o procedimento, o paciente deve permanecer na clínica cerca de 1 a 2 horas para recuperação do efeito sedativo das medicações. A garganta poderá ficar um pouco dolorida por alguns instantes, poderá sentir distensão abdominal devido ao ar introduzido no estômago e é comum a amnésia (não se recordar do exame). Depois será liberado para casa.
A sonda estará disponível para ser utilizada após 4 horas de sua passagem. O médico vai orientar aos familiares os cuidados com os curativos locais e com a utilização da sonda.
Será marcado um retorno para reavaliação.

Segurança do procedimento:
O procedimento é geralmente seguro e as complicações são raras.
Os riscos do procedimento são inferiores àqueles observados com gastrsotomia cirúrgica e envolvem os riscos associados ao exame endoscópico e aqueles relacionados à realização da gastrostomia.
A complicação mais freqüente é flebite (dor e inchaço no trajeto da veia puncionada). Complicações mais sérias são raras, ocorrendo em menos de 0,2% dos casos, podendo estar relacionadas ao emprego de medicamentos sedativos, ou ao próprio procedimento endoscópico.
As medicações utilizadas na anestesia podem provocar reações sistêmicas de natureza cardiorespiratória, incluindo depressão respiratória com diminuição na oxigenação sangüínea e alterações no ritmo cardíaco (bradicardia e taquicardia) e na pressão arterial sistêmica (hipotensão e hipertensão).
 As principais complicações associadas à gastrostomia são: extravasamento de suco gástrico e/ou dieta pelo óstio da gastrostomia; inflamação do óstio da gastrostomia por irritação química (suco gástrico) e infecção do óstio com drenagem de secreção purulenta. A infeccção de óstio ocorre em 7%-20% dos pacientes, podendo ser reduzida com uso de antibioticoprofilaxia. Perfuração de outras vísceras e sangramento podem ocorrer excepcionalmente, requerendo algumas vezes tratamento cirúrgico.

Entrega do laudo:
O laudo será entregue na Via Gastro após 24 horas da realização do exame.